Blog de DHJUPIC
Hoje, 01 de dezembro, inicia oficialmente a nossa 8ª Jornada Franciscana Nacional pelos Direitos Humanos. Ao abordarmos o tema "Água e Direitos", recordamos o nosso I Seminário Nacional AE e DHJUPIC, realizado em 2015, onde assumimos as questões hídricas como uma das prioridades da Secretaria de DHJUPIC. Te convidamos a iniciar essa Jornada com este pequeno registro do Seminário ao som de nosso querido Dom Hélder Câmara: "Por hoje, fiquemos perguntando a nós mesmos: Temos feito força para ser sal da Terra e luz do mundo?"
#ÁguaNãoÉMercadoria
#JornadaFranciscana



Queridas irmãs, queridos irmãos,
paz e bem!

A nossa Jornada Franciscana Nacional pelos Direitos humanos chega à sua oitava edição. Com o tema “Água e Direitos” e lema “Louvado Sejas, meu Senhor, pela irmã Água”, nos empenharemos em um processo de reflexão e ação em defesa da água como bem comum, contra sua privatização, buscando viver nossa missão profética na defesa da vida em todas as suas dimensões.

Neste ano, a Jornada será assumida por toda a Família Franciscana do Brasil. Durante o Capitulo da Esteiras realizado pela Conferência da Família Franciscana do Brasil, franciscanas e franciscanos assumiram a JFNDH como compromisso de trabalho. “Dessa cidade de Aparecida, Nossa Senhora, Padroeira do Brasil, resgatada das águas de um rio, hoje poluído e degradado, nos faz eleger dentre os diversos apelos um compromisso particular com a Irmã Água. Deste modo, nos empenharemos na construção de um processo de reflexão e ação em defesa da água como bem comum, que se dará através da participação da família em jornadas, fóruns e nas iniciativas de fortalecimento dos trabalhos ligados à promoção da Justiça e da Integridade da Criação” (Carta de Aparecida).

Resoluções das Nações Unidas reconhecem que a água é um direito fundamental. Não há vida sem água e ela é um bem comum que deve ser compartilhado entre toda a humanidade e os seres vivos. Segundo o Papa Francisco, “Enquanto a qualidade da água disponível piora constantemente, em alguns lugares cresce a tendência para se privatizar este recurso escasso, tornando-se uma mercadoria sujeita às leis do mercado. Na realidade, o acesso à água potável e segura é um direito humano essencial, fundamental e universal, porque determina a sobrevivência das pessoas e, portanto, é condição para o exercício dos outros direitos humanos.

Nesse grave contexto, inspirados pelo Francisco de Assis e o Francisco de Roma, assumimos o nosso carisma franciscano na defesa da nossa casa comum, contra a mercantilização da água e a transformação desse direito em um recurso inalcançável para muitas populações, principalmente as mais pobres e marginalizadas. Que esta jornada fortifique nossas fraternidades e comunidades no cuidado e na defesa da água, que os diversos ramos de nossa família franciscana se unam com outras organizações e movimentos religiosos e não-religiosos, para garantir que a água continue sendo, de fato, fonte abundante de vida, direito humano e da natureza.

Fraternalmente,

Frei Éderson Queiroz
Presidente da Conferência da Família Franciscana do Brasil
Washington Lima
Secretário Fraterno Nacional da Jufra do Brasil
Igor Bastos

-->
Secretário Nacional de DHJUPIC da Jufra do Brasil

Para baixar os materiais, clique aqui.

Nos 322 anos da morte de Zumbi e do esmagador massacre sobre a resistência de Palmares, evocamos a figura deste mártir do maior quilombo da História, não como herói republicano, mas como símbolo das lutas do povo negro e do povo brasileiro.
Zumbi representa um projeto: ao superar as visões de Ganga Zumba, Zumbi posiciona a República dos Palmares num enfrentamento intransigente contra as forças da Coroa, sem negociação, sem mediação. Liberdade ou liberdade.

Texto: MST
A Família Franciscana do Brasil manifesta solidariedade a Frei Rodrigo Péret e aos irmãos e irmãs ativistas socioambientais, defensores da nossa casa comum, presos hoje em Zimbabwe, na África. Os irmãos/as realizavam visitas às comunidades afetadas pela mineração na cidade de Mutare, quando foram presos por estarem do lado dos mais pobres e oprimidos. Apelamos pela colaboração das entidades e governos responsáveis, tanto do Brasil como do Zimbabwe, para que a situação seja resolvida o mais rápido possível.



Por BBC Brasil:
Frei e ativistas brasileiros são presos em zona de mineração de diamantes no Zimbábue
Um grupo de brasileiros, incluindo um frei católico, foi preso nesta sexta-feira durante uma visita a uma região de mineração de diamantes em Mutare, no Zimbábue.

Pelo menos três brasileiros e outras 19 pessoas de países como África do Sul, Zâmbia, Quênia e Uganda foram levados por um ônibus da polícia local a uma prisão da cidade, a 270 quilômetros da capital, Harare, na fronteira com Moçambique.

O Itamaraty já foi informado sobre as prisões e ainda não divulgou informações sobre a situação dos brasileiros.

Entre os brasileiros presos estão o Frei Rodrigo Peret, da Comissão Pastoral da Terra de Uberlândia (MG), Maria Julia Gomes Andrade e Jarbas Vieira, do Movimento de Atingidos pela Mineração.

A BBC Brasil conversou com a sul-africana Mercia Andrews, do movimento internacional de direitos humanos People's Dialogue (Diálogo dos Povos), que estava no local das prisões.

Ela acompanhava a missão de ativistas da região de Marange, conhecida como uma das principais reservas de diamantes do planeta, cujas licenças de exploração foram ampliadas recentemente pelo governo do Zimbábue.

"Estávamos conversando com os moradores da área, que estão sendo removidos de suas casas e relatavam abusos e limitações em seu direito de ir e vir", diz Andrews.

Policiais teriam chegado ao local e levado os presentes em um ônibus para a prisão.


--> Reportagem completa: http://www.bbc.com/portuguese/internacional-41950575


“Ouvir tanto o grito da terra como o grito dos pobres.” (LS,49)

A Conferência da Família Franciscana do Brasil realizou em agosto de 2017 o Capítulo da Esteiras, com a participação de mais de 1.200 franciscanos e franciscanas de todo o Brasil. À luz do chamado a Misericórdia, assumimos compromissos concretos: “a realidade ecológica e socioambiental (...) nos exige compromisso profético de denúncia e anúncio”. Nos comprometemos a atuar em consonância com os movimentos sociais em defesa dos direitos e da democracia no Brasil. “Elege(mos) dentre os diversos apelos, um compromisso particular com a Irmã Água. Deste modo nos empenharemos em um processo de reflexão e ação em defesa da água como bem comum, que se dará através da participação da família em jornadas, fóruns e nas iniciativas de fortalecimento dos trabalhos ligados à Justiça e à Integridade da Criação” (Carta de Aparecida CFFB).

Visando concretizar estes compromissos e transformá-los em um plano de trabalho para integrar nossos esforços com a construção da justiça, da paz e da integridade da criação, em diálogo com a coordenação da CFFB, o Sinfrajupe propõe realizar em 2019, um Fórum Franciscano de Justiça, Paz e Ecologia. Para isso propomos um caminho em 3 etapas. Confira, a seguir, a primeira etapa que vai até o mês de março de 2018, na realização do Fórum Alternativo Mundial da Água - FAMA, em Brasília:

- Consolidar e articular a participação franciscana no processo de mobilização para o FAMA. O Sinfrajupe, participa da coordenação nacional do FAMA. A proposta é que em nossos estados e cidades, as fraternidades, os irmãos e as irmãs participem também ativamente dos Comitês Locais. A partir deste processo, definiremos atividades a serem desenvolvidas no evento de março;

- Participar do Curso online de animadores de Laudato Si’, com o tema Água e Laudato Si’. Serão realizadas 3 conferências online nos dias 25 de outubro, 01 e 08 de novembro com os temas “Águas Vivas, Rios Voadores”, “Laudato Si’: Água, Bem Comum” e “Água Não é Mercadoria”. Para mais informações e para se inscrever, acesse: http://catholicclimatemovement.global/animadores-2017/

- Participar como família da 8a Jornada Franciscana de Direitos Humanos, organizada pela JUFRA, em torno da defesa da água como bem comum. A Jornada acontecerá de 01 à 10 de dezembro de 2017, (material disponível na segunda quinzena de novembro);

- Participar do evento do FAMA, em março de 2018, em Brasília e nas regiões.

- Comunicar através das redes sociais, visando garantir uma comunicação mais sistemática entre nós, com um espaço de compartilhamento de informação, onde possamos conhecer as diversas iniciativas em curso em cada cidade, fraternidade e região. Para se integrar e participar, curta a página do Sinfrajupe no Facebook: https://www.facebook.com/Sinfrajupe/

Participe dessa construção! Que São Francisco e Santa Clara nos abençoem, nos deem força, fé e coragem para nos empenharmos cada vez mais em viver e trabalhar pela justiça, pela paz e pela integridade da criação, caminhando na construção de uma sociedade mais justa e fraterna.

Frei Ederson Queiroz, Presidente da Conferência da Família Franciscana do Brasil-CFFB


Frei José Francisco, Presidente do Sinfrajupe